Serenatas

sábado, 6 de novembro de 2010

Eu ouço as canções antigas
de quando criança ainda,
acordes da madrugada
enchiam os meus ouvidos.
Canções serenas e lindas.

A lua por companhia
na quietude da praça.
Só vozes e instrumentos,
ao mais leve movimento,
enchiam a vida de graça.

Em meus olhos a harmonia
brilhava a cada cantiga.
Os dedos que dedilhavam
o violão que desfiava
a ternura eterna e antiga.

E até que o dia raiasse,
as vozes e a melodia
anunciando a manhã.
O desafio do pranto.
Hoje não há mais canto
na saudade temporã.

Marilia Abduani

2 Comentários:

shintoni disse...

Marília:
Hoje postei "Primavera" no Duelos, ok?
Valeu mesmo!
Abração e ótima semana!

Zest Martins disse...

Marilia,
Cada dia que passa seu blog fica mais lindo com tantas emoções e energias positivas em seus poemas.
Bjs poéticos sempre.

Postar um comentário

 
Pelo Estreito Corredor do Tempo © Copyright | Template By Mundo Blogger |