RENDA DE ORVALHO

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Centelha de raios de sol,

facho de luz na manhã,

deita na calma imortal,

cola no breu feito ímã.

Diamante dentro do amor

é a estrada nova pro norte,

das profundezas da dor

apaziguada é a sorte.


Deita a minha alma ao vento

a relva enfeita a história.

Oco solar é o lamento

no marulhar da memória.

Refeita em luz, minha estrela

é renda de orvalho bordada,

enluarada se espelha

na relva em orvalhada.


Marilia Abduani

1 Comentário:

Lazaro disse...

Marília, poetisa que traz na alma o fazer poético. A poesia flui naturalmente de sua natureza, porisso é grandiosa em cada poesia, conseguindo passar a mensagem do modo mais sublime e encantador, de forma que ao ler os seus versos é como se estivéssemos em uma galeria de arte, igual à que permite os nossos sonhos. Parabenizo nossa talentosa anfitriã, minha sempre professora por todos esses poemas maravilhosos traduzidos maravilhosamente da inspiração que sempre a encontra disposta a compartilhar um pouco de sua imensa humanidade de poeta. Bjos.

Postar um comentário

 
Pelo Estreito Corredor do Tempo © Copyright | Template By Mundo Blogger |